Não Deixe para Amanhã o que Você Pode Fazer Hoje | Filosofia Bacurau

FILOSOFIA BACURAU
O bacurau, nome de origem tupi, é uma ave da família dos caprimulgídeos, compreendendo 25 espécies, com variações no tamanho, no desenho e cor das penas, predominantemente beje, caçador noturno, muito comum no Brasil e outros países da América do Sul, México e Califórnia nos EEUU. Esses dados são apenas para açular a curiosidade.
Não sei se pelo canto ou pelos seus hábitos noturnos o folclore que o envolve remete-nos à expressão “amanhã eu vou”.
Esta declaração “amanhã eu vou” é uma filosofia muito encontradiça e também perniciosa.
Ela pode ser um simples hábito que criou raízes e sobrevive para dor de cabeça amiúde.
Pode também ser fruto da pasmaceira que imobiliza a vontade e esse “amanhã” é tão incerto quanto “encontrar uma agulha num palheiro”.
Mais grave ainda, embora o resultado seja o mesmo, é quando a causa é a preguiça, porque a incerteza do “amanhã” contamina o “hoje”. Daí, Prov. 6.9-11: “Ò preguiçoso, até quando ficarás deitado? Quando te levantarás do teu sono? Um pouco de sono, um pouco tosquenejando, um pouco encruzando as mãos, para estar deitado; assim te sobrevirá a tua pobreza como um ladrão, e a tua necessidade como um homem armado”.
Então será tarde demais!
Passaro Preguiçoso

Compartilhe

One thought on “Não Deixe para Amanhã o que Você Pode Fazer Hoje | Filosofia Bacurau

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *