A parábola do Filho Prodigo contada por Jesus

A parábola do filho pródigo nos traz vários ensinamentos e foi introduzida com estas palavras:
“Costumavam aproximar-se de Jesus os publicanos e os pecadores para escutá-lo. E os fariseus e os escribas murmuravam entre si: ‘Esse acolhe os pecadores e come com eles’.

Então Jesus lhes disse esta parábola”: (Lucas, 15, 11-32)

11- Certo homem tinha dois filhos;
12- E o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte da fazenda que me pertence. E ele repartiu por eles a fazenda.
13- Poucos dias depois, o filho mais moço, ajuntando tudo o que era seu, partiu para uma terra distante e lá desperdiçou todos os seus bens, vivendo dissolutamente.
14- E, havendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e ele começou a padecer necessidades.
15- E foi e chegou-se  a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus campos a apascentar porcos.
16- E tinha vontade de comer o que os porcos comiam, mas ninguém  lhe dava nada.
17- Então, caindo em si, disse: Quantos trabalhadores de meu pai têm comida com fartura, e eu aqui morrendo de fome!
18- Levantar-me-ei, e irei ter com o meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra Deus e contra o senhor;
19- já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus trabalhadores;
20- E, levantando-se, foi para a casa de seu pai. Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou.
21-E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho.
22- O pai, porém, disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa, vesti-o, ponde-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés;
23- trazei também e matai o novilho cevado. Comamos e regozijemo-nos;
24- porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado. E começaram a regozijar-se.
25- Ora, o filho mais velho estivera no campo; e, quando voltava, ao aproximar-se da casa, ouviu a música e as danças.
26- Chamou um dos criados e perguntou-lhe que era aquilo.
27- E ele informou: veio teu irmão, e teu pai mandou matar o novilho cevado, porque o recuperou com saúde.
28- Ele se indignou e não queria entrar, saindo, porém, o pai procurava conciliá-lo.
29-Mas ele respondeu a seu pai. Há tantos anos  que te sirvo sem jamais transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito sequer para alegrar-me com os meus amigos;
30-vindo, porém, esse teu filho, que desperdiçou os teus bens com meretrizes, tu mandaste matar para ele o novilho cevado
31-Então, lhe respondeu o pai: Meu filho, tu sempre estás comigo; tudo o que é meu é teu.
32-Entretanto, era preciso que nos regozijássemos e nos alegrássemos, porque esse  teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado.
 

Reflexões da Parábola do Filho Pródigo:

A primeira reflexão é sobre o filho que abandonou sua familia pensando em viver para si. O individualismo e o desejo de aproveitar e amar aquilo que não devia, a ilusão de que a parte da herança iria lhe trazer a plena felicidade vivendo longe da casa de seu pai, se divertindo e gastando todo seu dinheiro com falsas amizades, porém somente depois que o dinheiro acabou é que ele foi perceber que estava desamparado e cuidando de porcos sem os falsos amigos que só estavam com ele enquanto tinha dinheiro.  Só restou a ele o arrependimento de ter se afastado da casa de seu pai, que estava sempre a espera do seu retorno.

A segunda reflexão é sobre o filho que ficou indignado com o tratamento dado ao seu irmão que voltara. Demonstrando o egoísmo e a inveja pelo fato do pai ter perdoado e aceitado de volta o filho pródigo além do tratamento dado a ele, roupas novas, sandálias e uma festa. Ao invés de se alegrar com a volta do imão este filho ainda indagou ao pai porque se alegrára tanto com a volta de um filho que o tinha abandonado, enquanto ele que estava sempre ao lado do pai trabalhando e ajudando nunca recebera um tratamento igual. A atidude deste filho que ficou demonstra também a falta de amor e união entre os irmãos.

A terceira reflexão é sobre o amor do pai que esperava ansiosamente a volta do filho, demonstrando este amor quando se lançou ao pescoço do filho o abraçando e depois quando mandou preparar a festa para a recepção do filho pródigo. Independente do erro do filho, o amor deste pai o fez perdoar a aceitá-lo de volta. E também demonstra amor quando fala ao filho que ficou que este também deveria se alegrar buscando a comunhão e a união entre os irmãos.

Lições da Parábola do Filho Pródigo

Muitas vezes agimos como o filho pródigo nos afastando de Deus para viver as falsas alegrias que o mundo oferece. Muitas vezes agimos como o filho que ficou, não entendendo e não perdoando alguem que errou e se arrependeu.

Deus está sempre pronto a perdoar e receber com festa aqueles que reconhecem e se arrependem dos seus pecados. Deus é amor e sua misericórdia é para sempre, e como aquele pai que esperava seu filho retornar, Deus também está a sua espera. Amém.

O filho prodigo

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *